Mini-dicionário de J a Z

Janos - Satélite de saturno descoberto em 1966 pelo astrônomo francês AudoninDollfus. Sua localização original foi perdiada,atualmente é aceito como o satélite 1980SI de Saturno, que apresenta uma órbita quase circular de raio igual a 151.472 km em um período de 0,69433 dias. É um satélite pequeno, que possui um diâmetro da ordem de 220 km em regtime co-orbital com Epimeteus.

Juno - nome dado ao terceiro asteróide a ser descoberto, em 1804. Seu diâmetro mede aproximadamente 250 km.

Libração - movimento oscilatório de um corpo em órbita. Por exemplo, enquanto a Lua geralmente mantém a mesma face voltada à Terra - durante um período de tempo 59 % de sua face pode ser vista da Terra - sendo que as areas próximas da borda do disco lunar tornam-se alternadamente visíveis e ocultas. A libração pode ser em longitude ou em latitude.

Limbo- borda visível do disco de um objeto celeste. Apenas objetos como o Sol, a Lua, os planetas e alguns satélites observados com telescópio mostram discos, que correspondem ao limbo. Os fenômenos da superfície do Sol, como as erupções solares e as proeminências, são melhores observados no limbo.

Linhas de universo - trajetória de uma partícula através do espaço-tempo quadridimensional. A trajetória descreve o movimento da partícula através do espaço, assim como sua evolução no tempo. No universo quadridimensional, todas as partículas, inclusive aquelas que constituem corpos maiores, têm suas próprias trajetórias, a partir do ponto de criação até o ponto de aniquilação. Portanto, se a linha de universo de um planeta que orbita em torno do nSol fosse formada pelas linhas de universo individuais de suas partículas constituintes, formaria um tubo espiral fixo no espaço-tempo.

Linha de força - Padrões espacias imaginários que representam a força e a direção de um campo magnético ou elétrico em um ponto qualquer. São em geral representadas em diagramas como conjunto de linhas que se aproximam em alguns lugares e se afastam em outros. A direção das linhas indica a direção do campo e a densidade das linhas em uma área determinada representa a medida da intensidade do campo naquele local.

Luz zodiacal - cone de luz fraca que se estende do horizonte logo após o anoitecer e antes do amanhecer. O eixo do cone está próximo ou sobre a eclíptica. Embora o efeito pareça desaparecer no brilho geral dos céus a uma distância angular de aproximadamente 90° a partir do Sol, ele persiste ao longo da eclíptica, aumentando novamente em intensidade em um ponto oposto ao Sol, dando origem ao gegenschein. Fotômetros sensíveis podem detectar a presença da luz zodiacal em todo o céu.

Magnetosfera - região cilindrica que circunda a Terra na qual o vento solar é acelerado pelo campo magnético terrestre. Na magnetosfera as partículas carregadas são aceleradas pela mudança de campos magnéticos e formam os cinturões de radiação de Van Allen e as auroras, além de proteger a Terra dos raios cósmicos nocivos.

Magnitude - medida do brilho de uma estrela.

Medida angular - parte de um sistema de corrdenadas utilizada para medir os ângulos das direções de objetos celestes, assim como seus diâmetros angulares; também utilizada para medir variações na direção e no tamanho dos objetos.

Naves espaciais - veículos concebidos para operar no meio espacial, que exigem um aparato tecnológico muito avançado para superar as restriçoes de funcionamento impostas pela alta radiação, pela ausência de gravidade e pelo vácuo. São empregados para transportar tripulção de astronautas, para obter dados científicos e para conduzir operações utilitárias (observações meteorológicas e de comunicação ) e de pesquisas ( experimentos que envolvam microgravidades ).

Nebulosa - corpo celeste com extensão de luz indistinta. As nebulosas são usualmente classificadas como difusas ( condensações de gás e poeira ), ou remanescentes de supernovas.

Nova - estrela cataclísmica variável, que aumenta subitamente em brilho de 7 a 19 magnitudes, mas que retorna à sua magnitude anterior após alguns meses.

Núcleo - corpo central de um cometa, que varia em diâmetro de 1 a 10 km e que se constitui de uma massa compacta de gelos e poeira.

Números de Flamsteed - sequência de números utilizados para identificar as estrelas de uma constelação.

Observatório - em astronomia, qualquer lugar a partir do qual medidas astronômicas são realizadas.

Ocultação - desaparecimento de uma estrela ou outro objeto celeste ocorrido quando um corpo do sistema solar se põe na sua frente.

Ônibus espacial - espaçonave parcialmente reutilizável usada para transportar cargas e pessoas para uma órbita terrestre, e depois retornar. O veículo útil pode transportar uma carga útil de até aproximadamente 30 toneladas, ao reentrar na atmosfera, o veículo principal é pilotado como um planador e pousa em uma pista.

Órbita - trajetória no espaço seguida por um planeta, satélite, asteróide ou cometa sob a influência da força gravitacional.

 

 

Órbita geoestacionária - órbita descrita por um satélite artificial em torno da Terra de tal maneira que sua projeção sobre a superfície desta permanece quase estacionária. Para ser geoestacionária, a órbita deve ser geossíncronizada, com excentricidade e inclinação pequenas para que se mantenha confina a uma faixa estreita. Com o tempo, o ponto da superfície do planeta situado sob o satélite gradualmente afasta-se na direção leste-oeste em virtude de pertubações produzidas pela forma não-esférica da Terra e manobras com foguetes são necessárias para corrigir essas mudanças.

Órbita geossíncrona - órbita definida por um satélite artificial em torno da Terra de tal modo que o período orbital é de quase exatamente um dia, fato que faz com que o satélite permaneça aproximadamente estacionário acima de um ponto sobre a superfície do planeta. São muitas vezes empregados por satélites astronômicos e militares.

Parsec - unidade de distância empregada na astronomia, igual a distância à qual uma estrela teria uma paralxe trigonométrica de 1 segundo de arco. A palavra parsec é a contração de parallax-ar second. Um parsec é equivalente a 3.088 x 10 elevado a 16 m, 206.265 unidades astronômicas ou 3,26 anos-luz.

Período - intervalo de tempo entre dois eventos recorrentes. O termo é utilizado de modo muito geral e são atribuídos períodos aos movimentos rotacionais dos corpos em torno dos p´roprios eixos, revoluções orbitais, fenômenos magnéticos solares, pulsações no interior de atmosferas estelares e assim por diante.

Pêndulo de Foucault - experiência idealizada em 1851 pelo físico francês Léon Foucault que demonstra a rotação da Terra.

Planeta - corpo não-luminosos que se forma a partir de gás e poeira estelar, gravita no espaço em torno de uma estrela e brilha apenas pela reflexão da luz. Essa definição inclui desde os corpos que têm uns poucos quilômetros de diâmetro, tais como os asteróides ou planetas menore, até objetos com uma massa talvez dez vezes maior do que a massa de Júpiter.

Planeta exterior - qualquer um dos grandes planetas situados além do cinturão de asteróides, isto é, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão. Suas composições são muito diferentes das composições dos planetas interiores, e com a exceção de Plutão, eles são gigantes gasosos que retêm uma fração significativa do hidrogênio e do hélio da nebulosa original, a partir da qual todos os planetas formaram-se. Exceto Plutão, todos eles têm sitemas complexos de satélites.

Planeta interior - planeta localizado mais próximo ao Sol que o cinturão de asteróides, que possui um raio orbital médio de 2,8 vezes o raio da órbita da Terra. O termo aplica-se a Mercúrio, Vênus, Terra e Marte ( argumentam alguns também a Lua, devido ao seu tamanho ). Estes planetas têm massas muito menores do que as massas dos planetas exteriores, porém são mais densas. Mercúrio é o único planeta interior que não possui atmosfera, pois sua superfície é muito quente.

Planetario óptico - projetor óptico complexo, utilizado para simular os movimenmtos dos corpos celestes. A palavra planetário também é usada para descrever um espaço provido de domo ou a edificação que abriga o projetor.

Poeira - partículas presentes na atmosfera da Terra ou no espaço. Pode ser encontrada em todo universo, uma parte substancial da massa do universo encontra-se sob a forma de partículas de poeira cósmica.

Polarização - confinamento das ondas de radiação eletromagnéticas, inclusive da luz e das ondas de rádio a um único plano ou direção. Esta propriedade não é diretamente percebida a olho nu, mas pode ser detectada, no caso da luz, pelo seu comportamento após ter interagido com vários materias chamados polarizadores. A medida do grau de polarização da radiação eletromagnética proveniente de um objeto celeste fornece informações valiosas não apenas sobre aquele objeto, mas também sobre qualquer tipo de matéria posicionada entre o objeto e o observador.

Projeto Ulisses - missão de exploração espacial conjunta envolvendo a NASA e a Agência Espacial Européia (ESA) com o objetivo de observar o Sol e o vento solar de uma perspectiva espacial privilegiada.

Protuberância - nuvem de gás brilhante que aparentemente se projeta além do limbo do Sol, formando muitas vezes um grande arco. Na realidade, as protuberâncias são laços gigantescos de gás relativamente frio, situados na tênue e quente coroa solar e suspenso pelos campos magnéticos da atmosfera solar.

Quadrante - provavelmente o primeiro instrumento astronômico a ser utilizado no mar. Consiste em uma placa com o formato de um quarto de círculo, com uma linha de prumo suspensa a partir do ápice. Foi utilizado no século XV para medir a altitude dos corpos celestes.

Quasar - objeto similar a uma estrela que emite uma energia equivalente à de centenas de galáxias normais.

Satélite de raios X - satélite artificial que contém um telescópio de raios X.

Satélite meteorológico - Satélite artificial que orbita em torno da Terra, coletando informações sobre a atmosfera e sobre o clima.

Satélite natural - qualquer corpo celeste natural que orbita em torno de um planeta.

Satélites co-orbitais - dois pequenos satélites interiores de Saturno, Janus e Epimeteu, que compartilham uma mesma órbita.

Satélites galileanos - satélites de Júpiter ( Io, Europa, Ganimedes e Calixto ), observados pela primeira vez por Galileu em 1610.

Selenografia - mapeamento da Lua. Este ramo da astronomia teve início com a invenção do telescópio, quando os primeiros mapas telescópicos foram produzidos por Galileu e pelo astrônomo britânico Thomaz Harriot em 1611.

Singularidade - ponto no espaço no qual a curvatura é efetivamente infinita, uma situação que se afirma ocorrer em um buraco negro. Em tais circunstâncias, as leis da física não são mais aplicáveis.

Sinope - pequeno satélite de Júpiter. Descoberto em 1914, é uma das quatro pequenas luas que orbitam em torno do maior planeta do sistema solar.

Síntese nuclear - formação de elementos químicos em reações nucleares. As condições apropriadas para tais reações existiam na época primordial do universo e existem ainda hoje, nos núcleos das estrelas em evolução.

Sonda espacial - nave espacial não tripulada cuja missão é visitar um planeta, satélite ou cometa a fim de coletar informações sobre o sistema solar.

Supernova - estrela de comportamento peculiar, cujo brilho pode intensificar-se na razão de 1 bilhão de vezes o seu estado original em apenas alguns dias, após os quais gradualmente seu fulgor declina a um grau inferior ao que era antes.

Telescópio - instrumento utilizado para observar objetos à distância. Em astronomia, um telescópio óptico é utilizado para produzir imagens ampliadas e detectar a luz proveniente de fontes débeis, particularmente aquelas invisíveis a olho nu.

Telescópio espacial Hubble - telescópio refletor de 2,4 m colocado em órbita da Terra em 25 de abril de 1990 pelo ônibus espacial Discovery.

Temperatura superficial - em astronomia, a temperatura da superfície de um corpo celeste. Em uma estrela é a temperatura da fotosfera, a partir da qual a maior parte da luz estelar é emitida.

Tempo - existência perene e indefinida do universo que abarca o passado, o presente e o futuro. A medição temporal era efetuada, originalmente, a partir das observações da rotação da Terra e do seu movimento em torno do Sol.

Tempo sideral - termo utilizado para descrever períodos de tempo medidos em relação às estrelas fixas.

Tempo universal - tempo médio medido pelo fuso horário de Greenwich. Embora este método de medir a passagem do tempo esteja relacionado com o movimento diurno médio do Sol, o processo de deduzi-lo precisamente é complicado por muitos fatores, inclusive pela taxa irregular de rotação (velocidade angular) da Terra.

Teste de Foucault - meio de detectar erros na forma de uma superfície ótica, como por exemplo um espelho côncavo.

Titã - o maior satélite de Saturno, descoberto pelo astrônomo holandês Christian Huygens em 1665. Possui uma atmosfera impenetrável de 200 km de espessura. Após os encontros com as naves Voyager, a atmosfera de Titã (detectada pela 1ª vez em 1944, pelo astrônomo holandês Gerard Kuiper) revelou uma variedade de fenômenos físicos e químicos.

Titânia - satélite de Urano, descoberto por William Herschel em 1787. Possui uma órbita quase equatorial em torno de Urano. Fotografada pela Voyager 2, sua superfície de gelo apresenta numerosas crateras pequenas, algumas bacias formadas por impacto e uma extensa rede de falhas geológicas de até 5 km de profundidade.

Trajetória - em astronomia, conjunto de posições ocupadas sucessivamente por um objeto natural ou artificial, sob a influência da força gravitacional ou de outros tipos de forças. Para os objetos naturais que possuem massa, a força dominante é a gravitacional e a trajetóri, frequentemente uma órbita, é precisamente descrita pelas leis do movimento de Newton. Entretanto, para os corpos muito pequenos, especialmente partículas ionizadas, as forças eletromagnéticas podem ditar a forma da trajetória.

Umbriel - satélite de Urano descoberto pelo astrônomo amador britânico William Lassell em 1851. Fotografada pela Voyager 2, possui superfície mais escura e uniforme do que as outras duas grandes luas de Urano, além de crateras.

Universo - conceito astronômico que designa o complexo formado pela matéria e pela energia existente no espaço.

Van Allen - zonas que circundam a Terra e contém partículas energéticas eletricamente carregadas (principalmente prótons e eletróns). Foram descobertos pelo cientista norte-americano James van Allen em 1958, quando os detectores de raios cósmicos a bordo do primeiro satélite norte-americano Explorer I, registraram sinais muito intenso ao entrar na região dos cinturões, a uma órbita de 2000km.

VLA (do inglês Very Large Array) - o mais poderoso radiotelescópio da atualidade. Localizado em Socorro, no Novo México - EUA. Consiste em 27 telescópios que formam juntos um Y gigante, de 36km de extensão. Teve sua construção concluída em 1980 e é operado pelo National Radio Astronomy Observatory - EUA.

Vôo espacial - deslocamento realizado por espaçonaves tripuladas ou robóticas além da atmosfera da Terra.

Vulcano - planeta hipotético que se moveria em uma órbita menor do que a de Mercúrio e que foi procurado durante muito tempo pelos astrônomos do séc.XIX.

Zênite - ponto da esfera celeste situado diretamente acima do observador. É chamado zênite astronômico, sendo obtido pela intersecção da esfera celeste com um segmento de reta que origina-se no centro da Terra e passa pela posição do observador.

Zodíaco - faixa próxima à trajetória anual aparente do Sol na esfera celeste.